Afilio

50 por cento off extra Banner Categorie Image Banner 728 x 90/_Categorie/Disney/br/728-x-90.jpg

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Mônica e Chaves juntos em episódio "Chave do Amor"

Publicado em 17 de mai de 2017
Um barril no meio do pátio, o que poderia ser? Mas tinha que ser o Chaves! É tanta fofura que a nossa Moniquinha Toy ficou encantada com essa "chave do amor". Parabéns para quem acertou o mistério do teaser de ontem! E na quarta-feira que vem, dia 24/5, o Chapolin aparecerá para nos defender! Fiquem ligados aqui no canal oficial da Turma da Mônica. ((:B
Os episódios são uma parceria entre a Mauricio de Sousa Produções e o Grupo Chespirito.
(Mônica Toy é uma família de personagens em animação 2D, voltada para o público juvenil e adulto. As características mais marcantes dos principais personagens da Turma da Mônica estão presentes nessa nova linguagem, com mais liberdade e humor.)








Cupons e destaques Casa & Vídeo Online

Confira regularmente as ofertas e validade dos cupons e promoções da Casa & Vídeo, acessando os links iniciados por (*).
Casa e vídeo
Cupom: casaevideo10 10% de desconto.
DESCONTO: 100
DESCRIÇÃO: Cupom: casaevideo10 10% de desconto.
REGRA: Cupom
CÓD: casaevideo10

DATA FIM: 2017-05-31

Casa e vídeo
Página inicial - Home





- Nossas imagens são ilustrativas. -
- Forno Micro-ondas Philco 20L com Iluminação Interna e 10 Níveis de Potência  127V
- Boneca Masha com Som Estrela
- Liquidificador Walita com Filtro 700W. Capacidade de 2.4L e 5 Velocidades ProBlend 
- Aparelho de Pressão Digital Automático de Pulso com Data/Hora Premium
- Mini Forno Elétrico 6L Britânia com Timer Cinza 127V










terça-feira, 16 de maio de 2017

O que é a bronquiolite: doença que lota UTIs infantis no inverno

(...) O principal responsável pela doença é o Vírus Sincicial Respiratório (VSR), que pode causar desde sintomas de uma gripe leve até um quadro grave de dificuldade respiratória.
"É um vírus muito, muito comum. Para você ter uma ideia, 100% das crianças vão ter VSR até os dois anos de idade. A maioria não fica tão doente como se imagina vendo as notícias", disse à BBC Brasil o pediatra e pneumologista Marcus Jones, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), autor de estudos sobre o vírus.
"Geralmente é uma doença muito leve. A criança tem coriza (nariz escorrendo) e um pouco de chiado no peito, mas fica bem em sete a 14 dias. Mas cerca de 2% delas têm dificuldade de respirar e precisam ser hospitalizadas."
Surtos da doença ocorrem todos os anos nos meses de outono e inverno no Brasil, principalmente em bebês de até 2 anos de idade. Mas, este ano, UTIs de hospitais em São Paulo e em Campinas já estão lotadas. Em outras capitais brasileiras, há aumento da procura por assistência médica. (...)
'Velho conhecido'
A bronquiolite não é uma doença de notificação compulsória (obrigatória) de acordo com o Ministério da Saúde. Como a maior parte dos casos provocados pelo VSR não chega a ser grave, o teste para identificar o vírus também não está disponível na maioria dos hospitais. Por isso, secretarias municipais e estaduais não têm dados que possam confirmar o aumento de internações.
Especialistas entrevistados pela BBC Brasil dizem, no entanto, que os casos mais sérios ainda estão dentro do esperado para a época, ainda que a percepção seja de que há mais crianças afetadas do que no ano passado.
"A um ano de explosão de casos geralmente se segue um ano com um número menor, e assim por diante. É possível prever que no ano que vem os casos não serão tão numerosos como agora. Esse vírus é conhecido dos pediatras há décadas, e estamos acostumados com essa oscilação", disse à BBC Brasil o pediatra Paulo Augusto Moreira Camargos, presidente do Departamento Científico de Pneumologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).
"Nos serviços de urgência há mais crianças com bronquiolite viral aguda agora do que tinha em janeiro e vai ter muito mais do que em outubro ou setembro. Isso não é um alerta, é absolutamente previsível e não foge àquilo que se esperava."
Onze vírus
Segundo Camargos, o VSR é responsável por cerca de 60% dos casos de bronquiolite aguda em crianças, mas pelo menos outros dez vírus podem causar a mesma doença, com exatamente os mesmos sintomas e a mesma possibilidade de evolução para um caso grave.
O tratamento, seja qual for o vírus, é o mesmo, e dependerá de como a infecção evolui em cada criança. "Em quase 98% dos casos, a família nem vai saber que a criança teve um desses vírus. Elas adoecem apenas como uma gripe e mesmo tendo bronquiolite, não precisam de internação."
No entanto, o pediatra diz que a falta de dados sobre os vírus dificulta a compreensão do alcance da doença.
"Os sistemas de saúde público e privado no Brasil deveriam estar mais equipados para identificar os vírus respiratórios, e para que a gente entenda o que está acontecendo no país", afirma.
O Ministério da Saúde afirmou que o país registrou 314 mortes em 2015 pela infecção com VSR no país - os dados mais recentes disponíveis.
Anticorpo
(...)
Como se trata de um anticorpo que é transferido para a criança, ele é diferente das vacinas normais. De acordo com determinação do Ministério da Saúde, o palivizumabe só deve ser administrado em bebês que estão mais vulneráveis à doença: prematuros extremos (que nascem após 28 semanas ou menos de gestação) e crianças com até 2 anos de idade que tenham doença pulmonar crônica ou doença cardíaca congênita.
Os médicos pediatras ou neonatologistas que acompanham os bebês devem indicá-los para receber o medicamento.
"A discussão sobre a possibilidade de ampliar a imunização ocorre em todo o mundo, mas é um medicamento caro, porque é produzido por apenas uma empresa, com uma tecnologia muito sofisticada", diz Marcus Jones, da PUC-RS.
"Mas esse é um vírus que mata de 70 mil a 200 mil crianças no mundo, principalmente na África e no sul da Ásia. Por isso, há muitos órgãos e empresas envolvidos na produção de vacinas. Certamente teremos mais nos próximos anos."
Segundo o Ministério da Saúde, até abril deste ano, já foram distribuídos 14.486 frascos de 50 mg e 35.280 frascos de 100 mg do palivizumabe para o serviço público. A imunização das crianças acontece de janeiro a agosto, a depender do período de maior incidência do VSR nas diferentes regiões do Brasil.
Prevenção
Se a criança adoecer, é importante ficar atento a uma possível dificuldade de respirar, que sinaliza o agravamento da doença.
"O quadro começa com resfriado comum, com o nariz obstruído e coriza, evolui para tosse, que inicialmente é seca e depois fica úmida e, por fim, se percebe que a respiração está difícil. O bebê começa a respirar mais rápido e, se colocarmos o ouvido no peito dele, veremos que há uns barulhinhos diferentes, que não existiam antes, o que chamamos de sibilância", explica Jones.
"Isso é um sinal de que o bebê está começando a ter dificuldade de respirar. Isso pode ou não evoluir para uma insuficiência ventilatória, que requer internação."
(...)
De acordo com os médicos, evitar aglomerações de pessoas, manter os ambientes com ventilação adequada e lavar as mãos são as medidas mais importantes para prevenir a infecção de bebês e crianças pelo vírus.
"A contaminação é principalmente por beijo e toque com as mãos. Então os pais devem lavar as mãos sempre e não deixar que qualquer pessoa toque nas crianças ou dê beijo na mão do bebê", explica Jones.
Leia o conteúdo completo em BBC:
* O que é a bronquiolite, doença que assusta pais e lota UTIs infantis no inverno
CDC

3 roupas inverno por 99 3 calcados por 99

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Menina com paralisia cerebral se consagra como pintora

Quando Tjili era pequena, os médicos acreditavam que ela nunca seria capaz de segurar um lápis.
Além de ser surda, a jovem de 15 anos tem paralisia cerebral, e os espasmos característicos dessa condição seriam um desafio.
Mas Tjili superou as expectativas e, hoje, é considerada uma desenhista talentosa.
Dois de seus trabalhos foram selecionados para uma mostra da Sociedade Real de Aquarelas, do Reino Unido.
Os curadores da exposição não sabiam de suas limitações.
“Ela segura o papel com um braço e agarra o lápis com força usando cada parte de seu corpo”, conta a mãe de Tjili, que foi abandonada pouco depois de nascer prematura em um hospital no Camboja e adotada por um casal de britânicos.
“Ela sempre tenta o que é proposto a ela, seja o que for. E todos nós podemos aprender com isso.”

domingo, 30 de abril de 2017

Como identificar possíveis sinais de abuso sexual em crianças?

É de suma importância, dar toda a atenção ao comportamento de crianças e adolescentes, sem acusações ou críticas inadequadas, que venham a comprometer o entendimento sobre fatos reais.
(Por Blogger)
Casos de violência e abuso sexual contra crianças e adolescentes são mais comuns do que se imagina - dados do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), por exemplo, mostram que 70% das vítimas de estupro do país são menores de idade.
Segundo dados do Disque 100 (Disque Direitos Humanos) e do Sistema Único de Saúde, mais de 120 mil casos de abuso sexual contra crianças e adolescentes foram registrados no país entre 2012 e 2015 - o equivalente a pelo menos três ataques por hora.
Mas como identificar abuso sofrido por uma criança próxima? O caso do uruguaio Felipe Romero, que, segundo uma autópsia preliminar, teria sido vítima de violência sexual, chamou a atenção dos leitores da BBC Brasil, que pediram esclarecimentos sobre quais são, afinal, esses sinais.
Com base em informações de sites especializados e entrevistas com profissionais da área, a BBC Brasil elaborou o guia abaixo.
"Geralmente, nao é um sinal só, mas um conjunto de indicadores. É importante ressaltar que a criança deve ser levada para avaliação de especialista caso apresente alguns desses sinais", diz Heloísa Ribeiro, diretora executiva da ONG Childhood Brasil, de defesa dos direitos das crianças e adolescentes.
1) Mudança de comportamento (...)
2) Proximidade excessiva
Apesar de, em muitos casos, a criança demonstrar rejeição em relação ao abusador, é preciso usar o bom senso para identificar quando uma proximidade excessiva também pode ser um sinal.(...)
3) Regressão
Outro indicativo apontado pelas especialistas é o de recorrer a comportamentos infantis, que a criança já tinha abandonado, mas volta a apresentar de repente. Coisas simples, como fazer xixi na cama ou voltar a chupar o dedo. Ou ainda começar a chorar sem motivo aparente. (...)
4) Segredos
Para manter o silêncio da vítima, o abusador pode fazer ameaças de violência física e promover chantagens para não expor fotos ou segredos compartilhados pela vítima. (...)
5) Hábitos
Uma criança vítima de abuso também apresenta alterações de hábito repentinas. Pode ser desde uma mudança na escola, como falta de concentração ou uma recusa a participar de atividades, até mudanças na alimentação e no modo de se vestir. (...)
6) Questões de sexualidade
Um desenho, uma "brincadeira" ou um comportamento mais envergonhado podem ser sinais de que uma criança esteja passando por uma situação de abuso. (...)
7) Questões físicas
Há também os sinais mais óbvios de violência sexual em menores - casos que deixam marcas físicas que, inclusive, podem ser usadas como provas à Justiça. Existem situações em que a criança acaba até mesmo contraindo doença sexualmente transmissível.(...)
8) Negligência
Muitas vezes, o abuso sexual vem acompanhado de outros tipos de maus tratos que a vítima sofre em casa, como a negligência.
Uma criança que passa horas sem supervisão ou que não tem o apoio emocional da família, com o diálogo aberto com os pais, estará em situação de maior vulnerabilidade.
- O que fazer
Caso identifique um ou mais dos indicadores listados acima, o melhor a se fazer é, antes mesmo de conversar com a criança, procurar ajuda de um especialista que possa trazer a orientação correta para cada caso. (...)

- Leia a reportagem completa em BBC:
* Como identificar possíveis sinais de abuso sexual em crianças?
Entre 2012 e 2015, Brasil registrou mais de 120 mil casos de
violência sexual
em crianças ou adolescentes.
- Imagem THINKSTOCK -

Mimos Dia das Mães L'Occitane en Provence Online

* L'Occitane en Provence - Home
* Ofertas por tempo limitado L'Occitane
- Nossas imagens são ilustrativas. -
LOCCITANE










Semana de prevenção do câncer de mama

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Nasce último bebê orca no parque SeaWorld


Após uma gestação de 18 meses, uma mamãe orca deu à luz ao que será o último bebê orca nascido dentro de uma parque SeaWorld nos Estados Unidos.
No ano passado, o SeaWorld anunciou que não faria mais a reprodução de orcas em cativeiro.
O parque planeja manter suas 22 orcas em cativeiro, mas ambientalistas querem que elas vivam em um santuário no mar.
Atualmente, segundo a WDC, ONG de proteção a baleias e golfinhos, há 61 orcas em cativeiro ao redor do mundo.
Desse total, 23 vivem em parques aquáticos nos Estados Unidos, a imensa maioria (22) no SeaWorld.
De acordo com a WDC, apenas 20 das 145 orcas já capturadas nos oceanos estão vivas. O restante (41) nasceu em cativeiro.
A ONG acrescenta que a mortalidade das orcas mantidas em cativeiro é 2,5 vezes maior do que as que vivem soltas.
Além disso, no caso do SeaWorld, a expectativa de vida delas não ultrapassa 25 anos – sendo que esses animais podem viver até 50 anos.