Afilio

50 por cento off extra Banner Categorie Image Banner 728 x 90/_Categorie/Disney/br/728-x-90.jpg

domingo, 27 de novembro de 2016

Como contar a uma criança que ela tem câncer

Em nenhuma circunstância há aceitação para fatos dolorosos e doenças determinantes de limitações.
A maioria de nós, sequer deseja pensar e conhecer fatos.
Outros, porém, estão sempre sobressaltados, em relação a certas doenças, levando também, uma vida angustiada.
O fato existe, mas não queremos que nunca aconteça com os nossos pequeninos.
Portanto, cada um deve proceder de sua maneira, já que as crianças têm uma incompreensível facilidade de se adaptarem, aos mais diversos comportamentos familiares.
Haja com as crianças, da mesma maneira como gostariam de ser tratados, afinal, todas merecem uma feliz infância.
Nossa postagem é uma chamada para o link(*) da BBC, que poderá ser acessado abaixo:
* Como contar a uma criança que ela tem câncer
Megan Fisher - BBC News
Muitos outros pais pelo mundo passam por situações parecidas - e não sabem como contar aos filhos que eles estão doentes.
Se alguém inserir na busca do Google em português a pergunta "Como digo ao meu filho que ele tem câncer?", são obtidos 412 mil resultados, que vão desde guias de instituições médicas especializadas, exemplos de outras famílias, a artigos de revistas médicas.
Apesar da variedade de respostas, os especialistas afirmam que o importante nesta hora é transmitir a mensagem de forma simples. Um exemplo: alguns artigos científicos e até médicos usam palavras diferentes, se referem ao câncer como "tumor".
A importância das palavras
Mas a enfermeira pediátrica Helen Lythgoe, da organização beneficente britânica Macmillan Cancer Support, que realiza pesquisas e oferece apoio a pacientes com câncer, diz que usar termos diferentes podem confundir a criança.
Para a Lythgoe, o melhor é que os pais usem palavras com as quais se sentem confortáveis.
Geralmente é melhor usar a palavra câncer e ser claro sobre o que ela significa, já que a criança pode ouvi-la em um contexto diferente e ficar com medo.
Lythgoe aconselha os pais a não ter medo de falar com os filhos sobre o que está acontecendo, mas, devido às emoções que podem aparecer quando já se conhece um diagnóstico grave, é preciso planejar bem o que dizer.
"As crianças são muito práticas. Uma vez que saibam o que está acontecendo, geralmente vão continuar com a vida normal", disse a enfermeira à BBC.
"Frequentemente é melhor explicar o que está acontecendo pouco a pouco, ou quando acontece alguma mudança. Isto ajuda a consolidar a compreensão delas, sem sobrecarregá-las."

Princípios básicos
(...)


Da obra: Na ciranda da vida
Histórias da minha feliz infância em uma obra familiar
* Divulgação


Nenhum comentário :